Irmã de Aécio pediu a Joesley para comprar cobertura no Rio pelo dobro do preço, avaliam corretores

Agência MG

Braço direito de Aécio, Andrea Neves foi presa há mais de uma semana, acusada de atuar em favor do irmão

 

O apartamento de cobertura oferecido por Andrea Neves, irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), ao empresário Joesley Batista por R$ 40 milhões vale menos da metade do valor proposto, de acordo com 12 corretores de imóveis ouvidos pelo Fantástico, da TV Globo.  A informação reforça a suspeita de que a transação tinha como objetivo de repassar dinheiro para o presidente nacional do PSDB, conforme declarou Joesley em sua delação premiada.

O imóvel, uma cobertura de dois andares, piscina e vista para a praia, está localizado no bairro de São Conrado, na Zona Sul do Rio, e pertence à mãe de Aécio e Andrea. O condomínio mensal custa R$ 18 mil.  A oferta do duplex a Joesley ocorreu no mesmo dia em que o senador pediu ao presidente do grupo J&F R$ 2 milhões, entregues em quatro parcelas de R$ 500 mil.

Nenhum dos 12 corretores ouvidos pelo Fantástico considerou que o apartamento valha mais que R$ 20 milhões. “Eu acho que não cabe R$ 40 milhões naquela região que a gente tá falando. Eu acho absurdo”, disse o corretor Renato Moura. “Nós estaríamos falando numa faixa de R$ 17 a R$ 18 milhões, para estar muito bem vendido. R$ 40 milhões nem pensar? Não, não tem chance. R$ 40 milhões comprava dois desse”, afirmou outro especialista, que pediu para não ser identificado.

“Joesley: O dia que a Andrea me procurou. Ele me pediu esses R$ 2 milhões e me pediu e falou que precisava de outros R$ 40 milhões. E que os R$ 40 milhões a mãe dela tinha um apartamento no Rio de Janeiro, se eu não queria comprar esse apartamento… pra poder… e parece que o apartamento existe. Eu não sei se vale os R$ 40 milhões. mas aí eu nem fui lá, nem nada.

Procurador: esse apartamento seria de quem?

Joesley: seria da mãe dela. Onde a mãe dela mora. Da mãe deles.

Procurador: e eles estavam precisando de R$ 40 milhões?

Joesley: e sugeriram que eu comprasse o apartamento da mãe com R$ 40 milhões.”

Aécio informou, por meio de sua assessoria, que “o imóvel é uma cobertura duplex de 1,2 mil metros quadrados”, ” avaliado entre R$ 35 e R$ 40 milhões” e que pertence a uma “pessoa jurídica de propriedade exclusiva da mãe do senador”, viúva de um banqueiro, padrasto do tucano. Apresentou, ainda, uma avaliação, feita por uma corretora de São Paulo, indicando que o imóvel vale R$ 36 milhões.

Embora esse negócio não tenha se concretizado, Joesley disse que comprou outro imóvel, em Belo Horizonte, a pedido de Aécio. No prédio funcionava o jornal Hoje em Dia. Na delação, o empresário disse que o grupo J&F comprou o prédio apenas para repassar dinheiro ao senador.

“Em 2015, ele seguiu precisando de dinheiro, e eu acabei, através da compra de um prédio, não sei como lá em Belo Horizonte, por 17 milhões, esse dinheiro chegou nas mãos dele. E depois no ano seguinte, em 2016… ele dizendo que esses 17 milhões era para pagar restos de campanha, e tal”. Nos registros, o valor de compra foi de R$ 18 milhões.

Em delação premiada, o diretor de Relações Institucionais da J&F, Ricardo Saud, afirmou que Aécio virou uma “sarna” para Joesley, pois não parava de pedir dinheiro ao empresário.

“Ricarco Saud: Esse prédio é o seguinte… O Aécio, desculpa a palavra, virou uma sarna em cima do Joesley. Ficava ligando: ele, a irmã, o primo, pra mim, pro Joesley… 24 horas… que ele saiu da campanha devendo demais, que precisava acertar a vida dele… que tava com dificuldade muito grande, que não tinha como não fazer e tal.

Procurador: Pedindo dinheiro?

Saud: Pedindo dinheiro… dinheiro… dinheiro… propina… dinheiro não, propina. Propina… Propina…”

O prédio não é utilizado pela J&F para nada e está fechado. Antes da transação, o prédio era alvo de uma sequência de penhoras devido a pendências trabalhistas da Ediminas, dona do jornal.

Joesley Batista contou aos procuradores que sabia que o prédio era do Hoje em Dia, mas reforçou que a compra era para beneficiar Aécio Neves, apontado como real destinatário do dinheiro.

“MP: Quem indicou?

Joesley: era uma pessoa ligada a ele. Um amigo dele que tem esse imóvel. Aí, esse dinheiro deve ter chegado a mão dele de alguma forma.

Procurador: o que que funciona nesse prédio hoje?

Saud: nada… tá lá tentando vender pela metade do preço, não vende… Tá à venda… Nós não precisávamos dele nada… Foi única e exclusivamente para atender um pedido do senador Aécio.”

Procuradores que acompanham o caso disseram ao Fantástico que o dinheiro repassado para a compra do prédio nunca foi encontrado. “Houve uma alegação de que esse dinheiro teria sido utilizado para o pagamento de dívidas do jornal Hoje em Dia, mas não há no processo documentos que comprovem essas alegações”, afirmou o procurador Victorio Rettori, do Ministério Público do Trabalho.

PF prende Andréa Neves; STF vai analisar pedido de prisão de Aécio

Continuar lendo

Publicidade Publicidade