Hélio Doyle reforça time de colunistas do Congresso em Foco

 

Wilson Dias/ABr

Professor de jornalismo aposentado da UnB, ex-secretário de Estado do Distrito Federal, Doyle tem passagem por algumas das principais redações do país e escreveu para veículos estrangeiros

 

Um dos mais experientes e respeitados jornalistas do país é o novo reforço da equipe de colunistas do Congresso em Foco. Carioca radicado em Brasília desde 1961, Hélio Doyle fez carreira em algumas das principais redações brasileiras, colaborou para veículos estrangeiros, foi professor da Universidade de Brasília (UnB) e ocupou cargos em órgãos sindicais e no primeiro escalão do governo do Distrito Federal. Tamanha experiência faz dele um profundo conhecedor dos bastidores da política na capital brasiliense – seja a local, seja a nacional.

O jornalista de 66 anos amplia um time marcado pela pluralidade ideológica, capaz de abordar de maneira crítica os assuntos mais delicados da política, da economia, do meio ambiente, da mídia, da educação, dos direitos humanos, da gastronomia, do Judiciário, dentre outras áreas. Da esquerda à direita. Um espaço que é dividido hoje tanto pela senadora Ana Amélia (PP-RS) quanto pelo deputado Chico Alencar (Psol-RJ), passando pelo tucano Marcus Pestana (MG) e pelo petista Dr. Rosinha (PR). Que dedica atenção a coisas de Brasília, casos do poeta Nicolas Behr, do deputado distrital Chico Leite (Rede) e da jornalista Miriam Moura, que oferece um diversificado cardápio em sua coluna de gastronomia.

Mas que também se volta para outras áreas, como as telecomunicações, com Beth Veloso, e a comunicação corporativa e institucional, com Miriam e Patrícia Marins, que fazem um apanhado sob essa perspectiva dos principais fatos recentes no Cenas da Semana. Esses são apenas alguns dos mais de 60 titulares dessa equipe de colunistas que sabem jogar em todas as posições. Provavelmente, o mais amplo, respeitado e diversificado grupo de opinião da internet brasileira. Aqui todos têm espaço, menos quem apoia violações aos direitos humanos, como os defensores da ditadura.

Em sua coluna de estreia, publicada nesta sexta-feira (7), Doyle mostra como os deputados articulam uma reforma política que tem como objetivo não corrigir o viciado e falido modelo eleitoral, mas apenas preservar a própria pele, garantindo a reeleição e o foro privilegiado em meio às acusações da Operação Lava Jato. Em seu espaço, o novo colunista também vai se dedicar a revelar os bastidores da política local, assunto que domina como poucos.

Formado em Jornalismo pela UnB em 1972, Hélio Doyle concluiu o mestrado em Comunicação e cursou doutorado em História das Relações Internacionais pela mesma universidade, onde foi professor de 1985 até 2013, quando se aposentou. Ele passou por redações de veículos como O Estado de S.Paulo, Folha de S.Paulo, Zero Hora, Jornal do Brasil, Jornal de Brasília, Correio Braziliense, Veja e IstoÉ. Também editou e dirigiu programas nas TVs Globo e Manchete. Também colaborou para a revista Time e a agência alemã DPA e o semanário Opinião.

Dirigente de grêmios estudantis, começou sua militância no movimento estudantil de resistência à ditadura em 1966. Dois anos depois, passou a militar clandestinamente na Ala Vermelha, dissidência do PCdoB. Foi detido seis vezes pela ditadura entre 1969 e 1981. Ainda nos anos de chumbo, presidiu o Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal.

Atualmente é diretor da agência WHD Comunicação, que inclui a WHD Editora, também conhecida como Editora Meiaum, que editou durante dois anos a revista meiaum, da qual foi diretor de redação. Na WHD, faz consultoria e assessoria de comunicação e política e edita publicações de todos os tipos.

Hélio Doyle também participou de diversas campanhas eleitorais municipais, estaduais e nacionais, em diferentes funções, tendo coordenado as campanhas vitoriosas de três governadores do Distrito Federal. Foi secretário de Comunicação, de Relações Institucionais e da Casa Civil nos governos Cristovam Buarque, Joaquim Roriz e Rodrigo Rollemberg. Até recentemente assinava uma coluna no Jornal de Brasília.

Veja a coluna de estreia de Hélio Doyle:

Uma reforma política contra a sociedade

Continuar lendo

Publicidade Publicidade