Gilmar Mendes manda soltar ex-secretário de Saúde de Cabral

Sérgio Côrtes admitiu que parte da propina foi usada para financiar campanhas de Pezão e Pedro Paulo

 

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a soltura do ex-secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro Sérgio Côrtes, investigado por corrupção na Operação Fatura Exposta, desdobramento da Lava Jato. Ele era auxiliar e homem de confiança do ex-governador Sérgio Cabral.

De acordo com as investigações, Côrtes era um dos coordenadores de um esquema que desviou, entre 2006 e 2007, R$ 300 milhões entre 2006 e 2017 a partir de fraudes em licitações de próteses para o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into).

Junto com ele foram presos na época os empresários Miguel Iskin e Gustavo Estellita, todos delatados por César Romero, ex-secretário executivo da Secretaria da Saúde na gestão de Côrtes. O ex-secretário é acusado de favorecer a empresa Oscar Iskin, da qual Miguel é sócio, em licitações do Into quando dirigia o instituto.

Em novembro do ano passado, Sérgio Côrtes disse que usou recursos de Miguel para financiar as campanhas do governador Luiz Fernando Pezão (MDB) e do candidato à prefeitura do Rio Pedro Paulo (MDB), em 2016.

Continuar lendo