Francisco Escórcio (PMDB-MA)

Inquérito 3579 (desacato). O deputado diz ter sido vítima de uma ação policial truculenta em abril de 2008. Escórcio contou que foi levado à força por um delegado e policiais civis após discutir com um empresário maranhense durante o governo Jackson Lago (PDT).

“O requerente foi espancado e preso arbitrariamente nas dependências do hotel, extensão do seu domicílio. O que houve foi o crime de invasão domiciliar praticado pelo delegado de polícia, que não possuía consigo um mandado de busca ou mandado de prisão que ensejasse a ação policial, aqui, clandestina”, diz a defesa do deputado. “O delegado de polícia, sem amparo legal, conduziu à força o paciente até a 9ª Delegacia de Polícia, numa atitude arbitrária e ilegal.” Escórcio afirma não entender por que o caso foi parar no Supremo, já que ele conseguiu um habeas corpus, na Justiça do Maranhão, suspendendo o andamento do processo por falta de provas. O peemedebista também enviou uma certidão negativa da Justiça local, atestando que não há processos contra ele na Comarca de São Luís. O deputado informou que não sabia que o caso tramitava agora no STF. “O próprio juiz diz que foi prisão irregular. Estou ganhando indenização por conta disso”, declarou ao Congresso em Foco.

Veja a lista com todos os parlamentares com pendências

Apoie o jornalismo independente e de qualidade:

Faça uma assinatura convencional ou digital da Revista Congresso em Foco!

Mais sobre processos

Continuar lendo

Publicidade Publicidade