Fernando Collor (PTB-AL)

O ex-presidente da República ainda responde na Justiça a acusações que o levaram a deixar o Palácio do Planalto em 1992, quan­do sofreu um processo de impeachment. Em 2008, a Procuradoria-Geral da República recomendou ao STF a condenação de Collor na ação penal 465, por peculato (desviar ou apropriar-se de recursos públicos), corrupção passiva e falsidade ideológica. O caso, porém, ainda não foi julgado pelos ministros. Segundo a denúncia, Collor e outros seis réus receberam propinas de empresários da área de publicidade beneficiados por licitações fraudulentas entre 1990 e 1992, período em que ocupava a Presidência da República. O dinheiro, de acordo com a acusação, era depositado em contas de “laranjas”,  administradas pelos réus para pagar contas pessoais, faturas de cartões de crédito e pensões a filhos de relacionamentos extraconjugais.

O que diz o parlamentar

Sem esclarecimentos.

Veja a lista com todos os parlamentares com pendências

Apoie o jornalismo independente e de qualidade:

Faça uma assinatura convencional ou digital da Revista Congresso em Foco!

Mais sobre processos

Continuar lendo

Publicidade Publicidade