Empresário preso na Lava Jato diz ter repassado R$ 100 milhões a ex-assessor de Serra

Valter Campanato/Agência Brasil
Valter Campanato/ABr

José Serra não quis se manifestar sobre acusação contra o diretor da Dersa em sua gestão

Preso pela Operação Lava Jato desde agosto, o operador financeiro Adir Assad afirma ter repassado cerca de R$ 100 milhões para Paulo Vieira de Souza, diretor da empresa Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) na gestão José Serra (PSDB) no governo de São Paulo. Paulo sempre foi apontado por petistas como um dos principais operadores do PSDB paulista. Assad é acusado de ser o maior emissor de notas frias para lavagem de dinheiro de empreiteiras suspeitas de envolvimento no escândalo de corrupção na Petrobras. As informações sobre os repasses ao ex-diretor da Dersa fazem parte do acordo de delação premiada do empresário, segundo o jornal O Estado de S. Paulo.

Ele admite ter usado suas empresas de fachada para lavar recursos de empreiteiras em obras viárias na capital e região metropolitana de São Paulo, como a Nova Marginal Tietê, o Rodoanel e o Complexo Jacu-Pêssego. De acordo com o Estadão, Assad contou como funcionava o esquema de fornecimento de dinheiro em espécie para o caixa dois de construtoras. Empreiteiras contratadas pela Dersa subcontratavam suas empresas. O valor das notas frias era transformado em dinheiro e as companhias indicavam os beneficiários dos recursos, informam os repórteres Fabio Serapião, Beatriz Bulla e Fausto Macedo. O empresário é acusado de ter movimentado R$ 1,3 bilhão em contratos fictícios assinados com grandes construtoras entre 2007 e 2012.

Na negociação para assinar o acordo de delação, Assad prometeu revelar detalhes de um esquema na estatal paulista do qual, segundo ele, Souza fazia parte e chegou a afirmar ter conhecimento de que políticos foram contemplados com os repasses oriundos de empreiteiras. Segundo o Estadão, o empresário não deverá citar nomes de autoridades em seu acordo porque disse não ter provas para corroborar sua versão, pois apenas lavava o dinheiro e entregava os montantes aos operadores indicados.

Paulo Vieira Souza não respondeu aos questionamentos enviados pelo Estadão. O senador José Serra disse que não comentaria o assunto. Já a Dersa informou que fez contratos apenas com consórcios.

O ex-diretor da Dersa já teve seu relacionado ao contraventor Carlinhos Cachoeira. Durante as investigações da CPI do Cachoeira, ele foi apontado como responsável por contatos entre a companhia e a Delta Construções e um suposto operador de um esquema de caixa dois para campanhas do PSDB. Paulo chegou a prestar depoimento à comissão.

Leia a íntegra da reportagem do Estadão

Continuar lendo

Publicidade Publicidade