Peemedebistas alvos do petrolão concentram 2/3 das doações em 2010 e 2014

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Jucá (ao centro) representa o estado que recebeu o maior montante de doações, proporcionalmente

O volume de doações repassadas, nas eleições de 2010 e 2014, para campanhas em estados de peemedebistas alvos da Operação Lava Jato foi desproporcional ao tamanho do eleitorado. Em termos relativos, a campanhas em que candidatos do PMDB movimentaram mais dinheiro não foram realizadas em estados maiores, mas em redutos dominados por “caciques” locais.

Essas são duas das conclusões extraídas de levantamento publicado pelo jornal O Estado de S.Paulo neste domingo (3). Segundo a reportagem, 12 estados representados por investigados do petrolão reúnem só um terço dos eleitores do Brasil, mas foram destinatários de R$ 2 em cada R$ 3 (66%) do montante doado a campanhas majoritárias do PMDB nas últimas disputas para governador e senador.

Candidatos, comitês e diretórios do PT e do PSDB receberam nesse redutos eleitorais, respectivamente, apenas 25% e 22% do valor global doado para campanhas estaduais – dado a revelar que as prioridades eleitorais de petistas e tucanos tiveram natureza diferente daquelas demonstradas por pleiteantes do PMDB. Mas a fonte é a mesma: ainda segundo a reportagem, fração significativa da verba arrecadada pelos três partidos teve origem em empreiteiras investigadas na Lava Jato.

Há inclusive a suspeita de que as doações eleitorais foram uma maneira de “lavar” propinas originadas do desvio de dinheiro público. No caso do PMDB, o ex-senador e ex-presidente da Transpetro Sergio Machado declarou, quando negociava delação premiada, que as propinas pagas ao ex-presidente da República José Sarney e ao senador Romero Jucá (PMDB-RR) – este, com inquérito aberto na Lava Jato, já foi alvo até de pedido de prisão, negado pelo STF –  por vezes eram forjadas como doações oficiais de campanha para diretórios peemedebistas no Maranhão e em Roraima, respectivamente.

“No ranking dos valores per capita, o primeiro colocado, disparado, é justamente o estado de Jucá. Na média das duas eleições, o PMDB de Roraima recebeu cerca de R$ 96 por eleitor – mais que o quádruplo do segundo colocado, Tocantins, e nove vezes o valor registrado no Rio de Janeiro”.

Agente Jucá

Nas eleições majoritárias de 2010 e de 2014, o PMDB roraimense recebeu cerca de R$ 47,6 milhões em doações. Trata-se do sexto mais elevado montante, em números absolutos, arrecadado pelo partido em todo o país, apesar do fato de que Roraima é o colégio eleitoral brasileiro menos numeroso. Apenas 262 mil pessoas foram às urnas nas eleições de 2014, por exemplo.

O montante acima foi basicamente destinado à máquina controlada em Roraima por Jucá, que transpõe as fronteiras do PMDB. Em 2010, continua a reportagem do Estadão, o maior gastos do comitê de campanha do então candidato ao Senado foi o item “doações financeiras a outros candidatos”. Com o dinheiro em caixa, Jucá financiou correligionários e ainda distribuiu recursos a candidatos aos postos de deputado federal e estadual de PSDB, PV, PR, PRTB, PTN, PPS, DEM, PDT, PSB, PP, PSL, PCdoB e PSDC. Isso equivale a dizer que o cacique peemedebista elegeu uma bancada particular na Câmara e na Assembleia Legislativa, desembolsando R$ 4,5 milhões, em valores atualizados.

Jucá foi ainda mais “generoso” em 2014, acrescenta a reportagem. Nesse pleito, marcado pela disputa ferrenha entre Dilma Rousseff e Aécio Neves, o diretório estadual do PMDB de Rondônia recebeu R$ 30 milhões em doações, em valores atualizados, mesmo sem ter lançado candidato ao governo ou ao Senado. Parte desse dinheiro bancou a campanha de Chico Rodrigues (PSB) ao governo rondoniense. O que sobrou foi repartido entre candidatos a deputado de várias legendas.

As doações a Jucá e ao PMDB em 2010 não têm como ser mapeados, porque na época ainda eram permitidas as chamadas doações ocultas. O vínculo entre financiador e financiado era ocultado da seguinte forma: não havia transferência direta de verba de um para outro – antes disso, o dinheiro passava por uma conta intermediária, de comitê ou de partido. Com o fim da doação oculta em 2014, por determinação da Justiça Eleitoral, pode-se conhecer os principais doadores: as empreiteiras Queiroz Galvão, UTC e Odebrecht; o banco BTG-Pactual; e o frigorífico JBS – grupos também sob a mira da Lava Jato.

Clã Sarney

O Maranhão também é destaque no ranking do financiamento eleitoral do PMDB. Terra de José Sarney, de sua herdeira política, a ex-governadora Roseana Sarney, e do aliado Edison Lobão, ex-ministro de Minas e Energia e também investigado na Lava Jato, o estado é reduto eleitoral capitaneado há décadas pelos Sarney até 2014, quando o clã perdeu o comando do estado para Flávio Dino (PCdoB). No ranking dos estados, o PMDB maranhense foi o terceiro grupo que mais recebeu doações, considerando-se a média dos montantes em 2010 e 2014. O detalhe é que o estado é o 13º do país em número de eleitores.

Na disputa ao governo maranhense, em 2014, Lobão foi financiado por empreiteiras como Andrade Gutierrez e Queiroz Galvão, mas seus principais doadores vieram do setor de energia. Ao todo, o PMDB movimentou pouco mais de R$ 1 bilhão nas duas últimas eleições ao governo e ao Senado, superando tucanos (R$ 863 milhões) e petistas (R$ 665 milhões).

Leia a íntegra da reportagem

 

Mais sobre Eleições 2014

Mais sobre Eleições 2010

Mais sobre Operação Lava Jato

Continuar lendo

Publicidade Publicidade