Dilma e Aécio voltam a duelar em Minas em clima de novo impeachment

aecioxdilma_(1)

 

Quatro anos depois, os dois maiores rivais da disputa presidencial de 2014, quando conquistaram 105 milhões de votos, deverão se enfrentar de novo nas eleições de Minas Gerais. Os mineiros Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) são pré-candidatos ao Senado na disputa por uma das duas vagas em outubro. Atual senador, o tucano tentará a reeleição. Presidente afastada por um impeachment em 2016, mas com os direitos políticos preservados, a petista transferiu seu título de eleitor da capital gaúcha, onde construiu sua carreira política, para a mineira no último dia do prazo (6 de abril), a fim de brigar, pela primeira vez, pela vaga de senadora.

Quando desembarcou em Minas, pensando, talvez, no inimigo tucano que voltaria a enfrentar, mal sabia ela que sua chegada seria o estopim de uma crise que levou ao rompimento de seu partido com o MDB e à abertura de outro processo de impeachment, desta vez, contra seu principal aliado, o governador Fernando Pimentel (PT). Como uma sombra que a ronda, após sua própria e amarga experiência, o fantasma do impeachment cruza seu caminho novamente em menos de dois anos.

Bomba

A volta de Dilma para Minas caiu como uma bomba no MDB, que, em nível nacional, foi o seu principal algoz em 2016. O presidente da Assembleia Legislativa de Minas, deputado Adalclever Lopes (MDB), era, até então, o principal fiador da governabilidade de Pimentel e, por isso, mesmo havia planejado ser o candidato preferencial ao Senado, senão o único, na chapa de reeleição do governador.

Dentro do PT também surgiram resistências à candidatura de Dilma ao Senado por Minas, como a do deputado federal e pré-candidato a senador Reginaldo Lopes (PT-MG). “Dilma não é candidata a nada. Pelo menos por Minas não vai ser”, disse ele quando surgiram os primeiros rumos sobre a candidatura dela pelo estado natal.

Ainda assim, apesar de alguns resmungos, não houve resistência manifesta à candidatura dela, hoje totalmente superada, até porque o governador Fernando Pimentel, que patrocinou seu retorno a Minas, é amigo pessoal dela e detém controle absoluto sobre o PT mineiro. Ali, só é candidato majoritário quem receber o aval do governador.

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

Pedido de impeachment do governador Fernando Pimentel tem rito definido na ALMG

 

Tanto é assim que, por causa da amiga, Pimentel comprou brigou com Adalclever, até então seu principal aliado, e corre o sério risco de ficar sem o MDB em sua coligação. Sem o partido de Michel Temer, restará a Pimentel fechar com o PR, PRB, PCdoB e PV.

<< Presidente da ALMG dá início a processo de impeachment do governador Fernando Pimentel.
<< Senado cassa Dilma, mas garante à ex-presidente o direito de ocupar cargo público

Dupla traição

Com o revés, Adalclever sentiu-se traído duas vezes pelo petista: a primeira, por não ter sido consultado sobre a chegada de Dilma; e a segunda, por ter sido rebaixado à segunda divisão como segundo nome na disputa. Nove entre dez políticos apostam que, sendo candidata ao Senado, uma das vagas já seria de Dilma. A constatação pôs em risco o futuro político de Adalclever Lopes, que reagiu com a mão pesada, com a força de sua insatisfação, ao sacar da gaveta um pedido de impeachment do governador que lá mantinha guardado para ocasiões como essa.

Consequência imediata, a aliança entre ele, o MDB e o governador petista se rompeu em uma reedição do que viveu Dilma na Presidência. Os argumentos apresentados pelo advogado Mariel Marra, que fundamentaram o pedido de impeachment, foram os consecutivos atrasos nos repasses dos duodécimos orçamentários aos poderes Legislativo e Judiciário e nos repasses constitucionais aos municípios, referentes aos impostos estaduais (ICMS e IPVA). As duas infrações caracterizam crime de responsabilidade, de acordo com a Constituição, mas eram, até então, toleradas pelo presidente da Assembleia em nome da aliança agora desfeita.

Arquivados pelo apoio político de Adalclever em outras ocasiões, desta vez, o pedido ganhou tramitação e o processo ficou irreversível. Numa primeira avaliação, ao contrário do que aconteceu com Dilma, Pimentel ainda tem boas chances de conseguir, pelo menos, o apoio de 26 dos 77 deputados estaduais, para arquivar o impeachment antes de sua instalação.

Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/ABr

Adalclever Lopes (MDB), presidente da ALMG, deve se posicionar na semana que vem sobre recursos apresentados pelo PT, que, como efeito, mantém suspenso o processo de impeachment de Pimentel

 

Em meio a essa crise, surgiu uma vaga no Tribunal de Contas do Estado (TCE), aberta após o falecimento da conselheira Adriene Andrade, em 16 de abril, mas já era tarde para acomodar Adalclever: a confiança do governador no antigo aliado tinha sido quebrada.

Seja qual for o desfecho do impeachment, o PT de Dilma e Pimentel e o MDB romperam a aliança de oito anos no estado e criaram dificuldades ao êxito dos projetos eleitorais de todos eles. O enfraquecimento dessa aliança, a mesma que derrotou tucanos e coligados em 2014, por outro lado, facilita o retorno dos rivais ao poder estadual.

O inferno de Aécio

A exemplo de Dilma, Aécio também tem problemas de sobra no caminho de sua reeleição ao Senado. Flagrado em gravação, Aécio comprometeu sua situação ao pedir R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista, um dos donos da JBS, para, segundo o senador, bancar a própria defesa jurídica contra graves acusações de corrupção na Operação Lava Jato. Daí pra frente, o tucano caiu em desgraça.

Livrou-se com facilidade na Comissão de Ética do Senado, mas foi afastado do cargo (setembro de 2017) pela 1ª turma do Supremo Tribunal Federal e, depois, embora tenha recuperado o cargo, virou réu (17 de abril deste ano) na mesma corte em processo apresentado pela Procuradoria Geral da República, que o acusa de crimes de corrupção passiva e ativa e obstrução de Justiça, de acordo com a Operação Patmos.

Não ficou só nisso. Junto da condição de réu, seu patrimônio político de 51 milhões de votos, de 2014, derreteu e ele é hoje um dos políticos mais rejeitados do país (pesquisa do Instituto Ipsos de agosto de 2017), até mesmo entre aliados. Tanto é que uma das condições para que o senador tucano Antonio Anastasia, fiel aliado de Aécio, aceitasse virar candidato a governador foi a liberdade para escolher os membros da chapa que terá ainda os cargos de vice-governador e dois candidatos ao Senado.

<< Aécio não informou à Junta Comercial de Minas negócio de R$ 6,6 milhões com irmã, mostra a Folha
<< Situação delicada de Aécio e desgaste eleitoral deixam PSDB em cima do muro sobre apoio a Temer

A condição foi entendida como senha para o afastamento de Aécio da chapa majoritária, para evitar a contaminação devido ao seu desgaste. O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) chegou a recomendar que Aécio não disputasse as eleições. A escolha de ser ou não candidato à reeleição, ou à Câmara, é unilateral. Por isso, Aécio tem ampliado consultas. Boa parte dos aliados diz que ele deve disputar a Câmara e não o Senado, outra parte defende um período sabático, no qual, fora dos holofotes, ele cuidaria da própria defesa. Caso insista em disputar o Senado, Aécio corre o risco de isolamento na campanha e de ser derrotado, mais uma vez, por sua concorrente de 2014.

Disputa mais virulenta

Em 2010 diziam que ela era apenas um poste escolhido pelo ex-presidente Lula para sucedê-lo, mas, em 2014, Dilma venceu Aécio por 51,64% a 48,36% dos votos válidos no segundo, garantido sua reeleição à Presidência numa disputa das mais agressivas da história.

No enfrentamento ao tucano, Dilma chegou a chamá-lo de “filhinho de papai” que nunca havia trabalhado e a dizer que ele não era o bom gestor que alardeava ser. Ao se referir ao escândalo de corrupção na Petrobras, no primeiro governo Dilma, Aécio falou em “mar de lama”, recorrendo à expressão usada por Carlos Lacerda contra o presidente Getúlio Vargas, em 1954. Ao final, a desconstrução de Aécio funcionou, permitindo a eleição da petista por pequena vantagem. O baixo nível da campanha rachou o país e levou Dilma ao impeachment dois anos depois.

Juntos, eles tiveram cerca de 105 milhões de votos no segundo turno da eleição presidencial passada e, neste ano, poderão se enfrentar novamente na disputa pelo Senado, ou até mesmo ficar fora da eleição em função da crise que abriam em seus partidos.

 

Cronologia da crise mineira

 

* Material gráfico produzido por Agência Confirma

Continuar lendo