Depois de chamar massacre de acidente, Temer fala em “matança pavorosa”

José Cruz/Agência Brasil]
José Cruz/Agência Brasil

Presidente participou da reunião de abertura do Núcleo de Infraestrutura

 

Após chamar o massacre no presídio de Manaus de “acidente”, o presidente Michel Temer voltou a comentar a crise no sistema penitenciário brasileiro. Mais enfático, dessa vez Temer se feriu ao caso como uma “pavorosa matança”.

Segundo o presidente, a União passou a se interessar muito mais pela segurança pública porque as organizações criminosas – PCC, Família do Norte – “constituem-se quase uma regra de direito fora do Estado”. De acordo com Temer, essas organizações têm “preceitos próprios” até quando fazem “aquela pavorosa matança” – referindo-se aos massacres nos presídios.

As declarações do presidente foram dadas durante a abertura da reunião do Núcleo de Infraestrutura, no Palácio do Planalto. No encontro, o presidente destacou ainda que segurança pública é questão de segurança nacional.

A crise no sistema penitenciário brasileiro assola, principalmente, a região Norte, onde quase 100 detentos foram cruelmente mortos por facções criminosas rivais em presídios de Manaus e Roraima.

Depois das tragédias, o governo anunciou Plano de Segurança Nacional, que prevê a construção de cinco novos presídios federais, com 200 ou 250 vagas cada, para abrigar presos perigosos. O governo estima gastar R$ 45 milhões com cada unidade.

Mais sobre Michel Temer

Continuar lendo

Publicidade Publicidade