Conta milionária do Mané Garrincha foi provocada por ligação clandestina de água

EBC

Estádio tinha ligação clandestina realizada durante a reforma do estádio

 

O grupo de trabalho criado para investigar a milionária conta de água do Estádio Nacional Mané Garrincha concluiu que uma ligação indevida, ainda na época da construção da arena, resultou no consumo excessivo no mês de junho. Em pleno período de racionamento de água no Distrito Federal, a conta do estádio pulou de uma média mensal de R$ 37 mil para R$ 2.266.757,00. Em junho, o hidrômetro do estádio registrou consumo de 94,2 milhões de litros de água, 67% mais que a média dos últimos meses.

Em meio à crise hídrica no DF, Mané Garrincha gasta R$ 2,2 milhões em consumo de água

Acredita-se que, na fase de edificação do estádio, os responsáveis pela obra ficaram receosos de que as chuvas não fossem suficientes para encher os quatro reservatórios de água bruta. Cada um deles tem capacidade para armazenar 350 mil litros, destinados à irrigação do gramado e ao combate a incêndios.

Uma ligação e um registro, não previstos na planta hidráulica do estádio, foram instalados excepcionalmente para fazer o bombeamento do reservatório de água potável para os quatro de água bruta. A adaptação deveria ter sido removida logo após o enchimento dos quatro tanques, o que não ocorreu.

Em fevereiro deste ano, o registro foi aberto por alguém indevidamente, o que levou ao transporte de água potável para os quatro reservatórios superiores não tratados, situados no segundo andar do Mané Garrincha. Os equipamentos transbordaram e a água passou a escorrer por três meses pela rede pluvial.

Em coletiva na tarde desta terça-feira (25), no Palácio do Buriti, o chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio, disse ter determinado a abertura de uma sindicância para apurar de quem foi a responsabilidade pelo dano. A investigação será conduzida pela Controladoria-Geral do DF. “É um episódio grave e lamentável, sobretudo neste momento de escassez hídrica na nossa cidade. Não descartamos nenhuma hipótese e vamos apurar com todo rigor”, disse Sampaio.

Uma comissão integrada por técnicos da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb), da Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) e da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) foi criada pelo governo na quarta-feira (19) para apurar o que fez a conta de água e esgoto da arena chegar a R$ 2,2 milhões em junho.

Como nem toda água perdida recebeu tratamento da Caesb, a empresa retirou a taxa de esgoto, o que fez a conta a ser paga pela Terracap — administradora do estádio — cair pela metade: R$ 1,150 milhão. O gasto excessivo só não foi identificado antes porque os servidores da Caesb, por três vezes, não conseguiram acessar o estádio para fazer a leitura do hidrômetro.

Um protocolo estabelece que, quando isso ocorre, a Caesb pode emitir a fatura baseando-se na média dos últimos meses.

Com informações da Agência Brasília

Leia também:

Abandono: único evento nacional agendado para o Mané Garrincha em 2017 foi cancelado

Continuar lendo

Publicidade Publicidade