Começa em clima de tensão leitura de parecer sobre pedido de investigação contra Temer

Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Colegiado deve monopolizar as atenções do noticiário nos próximos dias

A sessão que marca o início da tramitação da denúncia de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer (PMDB) na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados começou quente na tarde desta segunda-feira (10). Houve até protesto de deputado substituído por ordem do governo (leia mais abaixo).

“É uma vergonha o que está acontecendo neste Casa!”, disse o deputado Major Olímpio (SD-SP), vaiado por alguns governistas. “Quem está vaiando aqui foi comprado!”, rebateu Olímpio.

Zveiter apresenta hoje voto sobre denúncia contra Temer; Planalto já espera parecer desfavorável

Janot denuncia Temer por corrupção passiva no caso JBS; veja a íntegra da denúncia

No início da sessão, oposicionistas criticaram os procedimentos da análise da denúncia e reclamaram do fato de que questões de ordem não estavam sendo devidamente analisadas pelo presidente do colegiado, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG). Em um dos momentos de bate-boca, a deputada Maria do Rosário (PT-RS) apresentava sua demanda e, em meio ao falatório generalizado na comissão, queixou-se do fato de ter sido interrompida pelo deputado Alceu Moreira (PMDB-RS), membro da tropa de choque de Temer.

Também houve protestos quanto às substituições de última hora, por determinação de Temer, de forma a assegurar maioria na CCJ, que tem 66 membros titulares. Segundo Ivan Valente (Psol-SP), foram 12 os deputados trocados pelo governo no colegiado com o objetivo de evitar defecções na base aliada – na verdade, foram oito as substituições apenas hoje (segunda, 10).

No início da reunião, houve um rápido contratempo envolvendo o deputado Delegado Waldir (PR-GO), substituído pelo governo por não ser voto certo a favor de Temer, enquanto Marcos Rogério (DEM-RO) lia o registro da ata. Com as ações dos membros da CCJ devidamente veiculadas ao vivo, viu-se o deputado esbravejando em plenário, por vezes interrompendo a reunião. Depois, com a palavra, o paramentar goiano acusou o governo de tentar comprar seu voto, e depois o substituiu depois da recusa.

“Eu não vendo meu voto, não troco por cargos, por emendas!”, vociferou Delegado Waldir, que protestou aos gritos de “lixo de governo!”.

Veja ao vivo:

 

O fato de ser do mesmo partido de Michel Temer não quer dizer que o deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), relator da denúncia contra o presidente na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, apresentará seu parecer em sintonia com o governo. O material é lido neste momento na CCJ, que concentrará as atenções da imprensa durante toda a semana.

Como tem sido noticiado nos últimos dias, o próprio Zveiter tem dito que não aceitou pressões do Palácio do Planalto. O deputado fluminense, advogado por formação e ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro, define-se como independente em relação à gestão Temer, acusado de corrupção passiva a partir de delações do Grupo JBS.

A reunião começou com a leitura da ata da reunião anterior, quando deputados apresentaram questões de ordem. Uma delas solicitava a presença do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para sustentar a denúncia. Mas o presidente da CCJ, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), negou essa e outras demandas, apresentadas principalmente  pela oposição.

Leia também:
Hipótese de substituição de Temer ganha força entre aliados; na Argentina, Maia fala como presidente

Continuar lendo

Publicidade Publicidade