Colunistas

Bom serviço é ingrediente obrigatório à mesa

“Um exemplo de desatenção que mina a credibilidade de um restaurante é o garçom perguntar qual é o ponto de sua carne, anotar direitinho, e quando o prato chega à mesa o resultado é simplesmente o oposto do que você pediu”

Um pré-requisito básico para um bom restaurante é oferecer um serviço de qualidade. Sem isso, não há alta gastronomia, tempero, receita milagrosa e chef talentoso que resista. Um serviço desatencioso e ruim estraga qualquer prazer do paladar, além de azedar o ânimo de qualquer comensal.

Essas reflexões pragmáticas são a propósito de falhas no serviço em restaurantes que desviam sua atenção e tiram seu prazer de desfrutar momentos agradáveis acompanhado de uma boa refeição.

E que tipo de descuido e erros seriam esses para estragar seu programa e tirar você do sério?  Um exemplo de desatenção que mina a credibilidade de um restaurante é o garçom perguntar qual é o ponto de sua carne, anotar direitinho, e quando o prato chega à mesa o resultado é simplesmente o oposto do que você pediu.

Outra falha, também muito desagradável, é o garçom não perguntar e já ir dispondo o couvert na sua frente, às vezes com aperitivos gordurosos e pão meio envelhecido e frio. Por incrível que pareça não é tão raro acontecer isso, obrigando você a pedir para levar de volta à cozinha, para não perder o apetite e ainda ter que pagar a mais por isso.

Agência Brasil

“O serviço não está incluído, é opcional”, lembra Miriam Moura

Esses dias tive um desprazer desse tipo. Pedi água mineral com gás e, quando vi, ao lado do meu copo já servido estava uma garrafa de Perrier, a marca francesa, com preço de euro convertido em reais. Fui conferir no cardápio e só havia duas opções de água mineral: uma marca brasileira, sem gás, e a Perrier, com gás. Bem, além do fato disso já ser um abuso, o garçom tinha a obrigação de ter me avisado, antes de ir servindo sem cerimônia e me forçando a consumir água em euros. Claro que ao final reclamei com o próprio chef e proprietário da casa. Espero que tenha tido alguma serventia.

Ainda vamos ter que esperar algum tempo para que proprietários tenham mais consciência da importância de um bom serviço em seus estabelecimentos comerciais. Até que encontrem aquele equilíbrio de oferecer um serviço atencioso sem ser invasivo. Outra coisa muito desagradável é ver o garçom correndo para encher sua taça de vinho como se fosse água, numa corrida para ver se o induz ao consumo de uma segunda garrafa.

A prestação de bons serviços conta muito para a credibilidade de qualquer empreendimento comercial. É fundamental o cliente ser bem atendido, sentir que o funcionário conhece a sua atividade e tem prazer em atender bem, em fazer você se sentir bem. E nós, comensais, temos que exercer mais o nosso direito de reivindicar um atendimento de qualidade, de ter em mente que é por isso que na conta vem dito: “O serviço não está incluído, é opcional”. Tradução: devemos pagar somente se tivermos sido bem atendidos.

Mais sobre gastronomia

Continuar lendo

Sobre o autor

Miriam Moura

Miriam Moura

Miriam Moura é jornalista, com larga experiência na cobertura política em Brasília. Trabalhou em jornais como O Globo, O Estado de S. Paulo e foi assessora de Comunicação em tribunais superiores, como STJ, TST e CJF. É diretora de Consultoria e Treinamentos na Oficina da Palavra e In Press Oficina.

Outros textos de Miriam Moura.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:



Publicidade Publicidade