Colunistas

Banguela. O nosso herói sem caráter

"Banguela abriu caminho para a política e o poder. Aliado a intelectuais encantados com o sindicalista franco e supostamente honesto, chegou ao ápice assumindo o poder em poucas décadas"

A luta de Banguela pela paz e igualdade social nasceu com ele. Ainda criança andava pelas ruas pobres do seu miserável barraco em busca de alimento e de algum dinheiro para colocar em casa. De família numerosa, o pai irresponsável os abandonou para mudar de vida na cidade grande.

A mãe, desconhecendo o paradeiro do marido, catou seus pertences e, também, seguiu para o sul com a filharada.

Enquanto os irmãos engraxavam sapatos, usando suas caixinhas de madeira, Banguela vagava pelas ruas procurando caminhos mais suaves para progredir. Com a ajuda de entidades sociais, fez curso profissionalizante e, ainda na juventude, passou a trabalhar na indústria. Logo sofreu um acidente que o afastou do trabalho por invalidez.

Com a pequena grana garantida, observou que poderia aproveitar o seu tempo para se dedicar à causa proletária. Sem estudo, mas inteligente, se aproximou de alguns líderes sindicais, passando a fazer parte da elite. Fez carreira rápida. Com discurso fluente e populista foi identificado como perigoso oposicionista. Não era. Quando foi levado às grades por subversão, conquistou seus carcereiros e se transformou num parceiro para conter a violência.

Daí para frente, Banguela abriu caminho para a política e o poder. Aliado a intelectuais encantados com o sindicalista franco e supostamente honesto, chegou ao ápice assumindo o poder em poucas décadas.

No controle do país, aplicou seus conceitos em relação ao povo desamparado tornando-se personagem reconhecido mundialmente. Nas viagens, como não gostava de ler, determinava a assessores que fizessem resumos de assuntos importantes e conheceu o seu herói: Nelson Mandela, político africano que, depois de passar 27 anos na cadeia, foi libertado, presidiu e libertou a África do Sul. Queria ser tal qual o seu herói.

Durante algum tempo foi o cara, o mais aguerrido torcedor do Corinthians, o querido da imprensa, o sonho de cada sogra, até que a casa caiu.

Ricardo Stuckert/Instituto Lula

"Durante algum tempo foi o cara, o mais aguerrido torcedor do Corinthians, o querido da imprensa"

Fingindo juntar recursos para ficar no poder até a morte, como seus amigos Fidel e Chávez, foi pego em roubalheiras. Processado, desconfiou que seria preso como vários dos seus companheiros mais próximos. Transferiu algum dinheiro para países que o acolhessem em caso de condenação.

Foi julgado e condenado. Saiu às ruas se dizendo injustiçado e perseguido por golpistas. A imprensa virou inimiga, aliados se transformaram em traidores, Deus e o diabo invocados a cada instante. A vida um inferno.

Após o julgamento, sem constrangimentos, partiria de jato privado para a África de Mandela. O pretexto da viagem é a luta contra a fome; a mesma fome que restaram de seus governos. Lá, na Etiópia, imagina que, se necessário, pedirá asilo usando os argumentos de perseguição política.

É possível que em alguma ditadura, tão comum por aquelas bandas, Banguela possa se livrar da cadeia e visitar o local onde seu herói passou seus longos anos de cárcere. Verificará que a história de Mandela é inversa à sua. Mandela ficou 27 anos preso e saiu para governar o destino do seu país; Banguela, que governou o país por 13 anos, saiu do poder depois de arruinar o país e passará, por enquanto, 12 anos e 1 mês trancafiado. É o nosso Macunaíma.

Do mesmo autor:

<< A predadora luta de tucanos contra seu mais vistoso exemplar

<< Apesar de “true news”, algumas notícias não viralizam na internet

Continuar lendo

Sobre o autor

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade