Colunistas

A dança fora de lugar de Carlos Marun

"Fazer uso de ironia e zombar de colegas parlamentares derrotados em questões político-institucionais não se insere nas boas práticas de comunicação. Agentes públicos e personalidades políticas devem evitar atos que só servem para acirrar ânimos e dificultar relacionamentos"

 

Na boa comunicação  não há lugar para ironia

A “dancinha” do deputado Carlos Marun (PMDB-MS), escudeiro fiel do presidente Michel Temer, viralizou nas redes sociais e foi fartamente noticiada nas mídias impressa e on-line. O aliado comemorou com a coreografia o resultado da votação do parecer pela rejeição da denúncia contra Temer, na noite de quarta-feira, 25, no plenário da Câmara.

Marun ainda ironizou a “surra” dada na oposição, ao fazer sua interpretação para a letra da música “Tudo está no seu lugar”, um hit na voz do cantor Benito Di Paula. A coreografia da semana repete a chamada “dança da pizza”, protagonizada em 2006 pela ex-vereadora e ex-deputada federal Ângela Guadagnin (PT-SP). Na época, ela comemorou dançando no plenário o fato de seu correligionário João Magno (PT-MG) ter se livrado de um processo de cassação. Ele havia sido acusado de receber dinheiro do esquema do mensalão, mas acabou sendo absolvido no Supremo Tribunal Federal e não foi cassado pela Câmara.

O gesto de Marun e de Ângela Guadagnin, de fazer uso de ironia e zombar de colegas parlamentares derrotados em questões político-institucionais, não se insere nas boas práticas de comunicação. Agentes públicos e personalidades políticas devem evitar atos que só servem para acirrar ânimos e dificultar relacionamentos no Congresso.

Se a política é a arte do possível, a comunicação permite construir relacionamentos que abrem caminhos. Gestos em sentido contrário só dificultam as coisas e podem custar caro a autoridades da política. Ao contrário da letra da música cantarolada por Carlos Marun, nada parece estar no seu lugar.

 

 

Alexandre Moraes critica novela da Globo e polemiza com jornalista do UOL

Depois de criticar em palestra a novela “A força do querer”, o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre Moraes respondeu no Twitter ao jornalista Josias de Souza. Em seu blog no UOL, o jornalista escreveu que Moraes, na passagem pelo Ministério da Justiça, não teria se notabilizado pelo combate ao tráfico. O blogueiro também mencionou o demorado pedido de vista de Alexandre Moraes no Supremo sobre a limitação do alcance do foro privilegiado.

“Ignorância, burrice, apoio ao tráfico ou tudo junto, que soma mais de 40% das mortes no país. É fácil criticar sem conhecer a realidade”, afirmou o ministro.

Josias, em tréplica, ironizou que o blog não discutiria com Moraes, um especialista. A polêmica entre o ministro e o blogueiro rendeu críticas a Moraes nas redes. Segundo Josias, irritado, ele teria ordenado a um internauta: “Vá trabalhar”!

 

 

WhatsApp libera função ‘apagar mensagens’ antes que a outra pessoa veja

É oficial! Finalmente o Whatsapp libera a função de apagar mensagens antes que a outra pessoa veja. Agora, o aplicativo vai mostrar duas opções para o usuário escolher: “Apagar para todos” ou “Apagar para mim”. Isso mesmo! Se você se arrepender de ter mandado uma mensagem, ela poderá ser apagada em um intervalo de sete minutos. A empresa já havia divulgado a nova funcionalidade este ano, mas ainda não havia entrado em vigor. A função começou a ser liberada nesta quinta-feira (26) e será disponibilizada para todos os usuários gradativamente nas novas atualizações do aplicativo em Android, Windows e iOS, lembrando que ela vale para qualquer tipo de arquivo, incluindo texto, imagens, gifs e mensagem de voz.

 

 

 

Continuar lendo

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade