A crise política e seus possíveis desdobramentos, em análise exclusiva de Paulo Kramer e Ricardo Caldas

Lula Marques/AGPT

Com julgamento no TSE e gravações comprometedoras, Temer vive futuro incerto

 

Dois dos mais antenados cientistas políticos de Brasília e do Brasil fizeram uma cuidadosa análise sobre a crise política que transformou, para os brasileiros, o dia de hoje em um tormento e o amanhã, num enorme ponto de interrogação.

A lanterna de Ricardo Caldas e Paulo Kramer indica melhora moderada na situação do presidente Michel Temer, mas atribui apenas 25% de chances – embora com “viés de alta” – para o cenário que seria mais favorável ao atual chefe do Executivo. Nessa hipótese, ele completaria o mandato, até o final de 2018, como “pato manco”. Isto é, um presidente fraco, com alta rejeição e reduzida capacidade de iniciativa.

Os outros cenários no horizonte são a renúncia negociada (“45%, viés de baixa”); o “divórcio litigioso”, via cassação pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ou afastamento com autorização da Câmara (“20%, viés de baixa”) e a substituição por um candidato eleito de forma direta (“10%, viés de baixa”).

O cientista político Paulo Kramer é um dos parceiros do Congresso em Foco na realização de palestras, na análise de cenários ou no desenvolvimento de produtos sob encomenda, destinados a tornar mais claros para organizações privadas os rumos que pode tomar a atual crise política. Caso tenha interesse em orçar algum trabalho nessa área, escreva para paineldopoder@congressoemfoco.com.br.

Leia o artigo de Paulo Kramer e Ricardo Caldas

 

Veja também:

Temer ficará no máximo mais quatro meses no cargo, preveem líderes do Congresso

Continuar lendo

Publicidade Publicidade