Colunistas

A “nouvelle cuisine” perde seu criador, Paul Bocuse

"Em 1990, fundou, em Lyon, o Instituto Paul Bocuse e também uma competição mundial de cozinha, o “Bocuse D’Or”. Ele foi o chef inspirador do filme “Ratatouille”, uma linda homenagem aos amantes da arte das panelas"

Ele mereceu muitas homenagens. Paul Bocuse é quase um sinônimo de alta gastronomia moderna. Inventor da “nouvelle cuisine”, também conhecido como o “papa da cozinha francesa”. Não há chef contemporâneo que não tenha sido, de alguma forma, inspirado por ele. Todos beberam de sua talentosa fonte criativa, de sua constante inovação e enorme paixão pela culinária.

“A gastronomia está de luto. Que nossos chefs nos quatro cantos do mundo cultivem os frutos de sua paixão”, afirmou o ministro francês do interior, Gérard Collomb. Cultivemos, pois, todos nós que também cultuamos a culinária, a arte de elevar o ingrediente vindo da terra às alturas da glória.

Reprodução

"Seu restaurante ostentou por mais de 50 anos três estrelas do Guia Michelin"

Durante muito tempo, a expressão “nouvelle cuisine” despertou controvérsias e debates acalorados. O movimento que revolucionou a cozinha francesa pregava leveza nos pratos e valorizava a apresentação. Voilá! Lendo esta semana muitas matérias sobre a trajetória brilhante do grande chef, me deparei com a menção a uma das receitas famosas inventada por Paul Bocuse, a sopa de trufas: uma combinação de trufas, foie gras e caldo de frango. Fiquei com água na boca, só de pensar. Nunca provei, mas posso imaginar a delícia que tal iguaria deve ter sido para os felizardos que a provaram em algum momento.

Seu restaurante ostentou por mais de 50 anos três estrelas do Guia Michelin, um privilegio reservado aos deuses, e ele certamente era um deles. Reza a lenda que certa vez, durante entrevista ao jornal “Libération” ele disse: “Tenho três estrelas e sempre tive três mulheres”, referindo-se a seus três casamentos.  Em 1990, fundou, em Lyon, o Instituto Paul Bocuse e também uma competição mundial de cozinha, o “Bocuse D’Or”. Ele foi o chef inspirador do filme “Ratatouille”, uma linda homenagem aos amantes da arte das panelas.

“Monsieur Paul”, como era carinhosamente conhecido, morreu aos 91 anos e sofria do mal de Parkinson. “Para mim, Deus morreu”, disse um dono de restaurante em Lyon. O presidente francês, Emannuel Macron, afirmou: “Os chefs choram em suas cozinhas, no Elysée e em toda a França, mas eles continuarão o seu trabalho”.

Do mesmo autor:

<< Em 2018, todo o brilho à gastronomia italiana

<< Queijo com café, uma parceria certeira

Continuar lendo

Sobre o autor

Miriam Moura

Miriam Moura

Miriam Moura é jornalista, com larga experiência na cobertura política em Brasília. Trabalhou em jornais como O Globo, O Estado de S. Paulo e foi assessora de Comunicação em tribunais superiores, como STJ, TST e CJF. É diretora de Consultoria e Treinamentos na Oficina da Palavra e In Press Oficina.

Outros textos de Miriam Moura.

Curtir Congresso em Foco no Twitter e Facebook:




Publicidade Publicidade