“Rede antifascismo” será desafio em 2018, diz primeiro presidente gay de um partido no DF

Reprodução/Facebook

Fábio Felix pretende buscar diálogo social para se contrapor à “militância do ódio”

 

“Uma onda gigante na sociedade de conservadorismo e fundamentalismo.” Eis o principal desafio que o professor e assistente social Fábio Felix, primeiro gay escolhido para presidir um partido em toda a história do Distrito Federal, diz que o Psol enfrentará em 2018, ano eleitoral. O nome de Fábio, que leciona na Universidade de Brasília (UnB), será confirmado neste domingo (22) durante o VI Congresso do Psol no DF. A posse está marcada para 17h em um auditório da Câmara Legislativa do DF (CLDF).

<< Grito de “ditadura nunca mais” é um dos momentos mais aplaudidos da entrega do prêmio

“A gente sabe que, no ano que vem, o desafio do Psol vai ser enorme. O desafio vai ser, com essa presidência, construir uma rede antifascista, anti-Bolsonaro  no ano que vem. Vai ser nosso grande desafio no ano que vem, sem dúvida. A gente brinca que vai ser uma presidência transgressiva, porque vai fugir dessa prática tradicionais dos partidos e, além disso, enfrentar uma onda gigante na sociedade de conservadorismo e fundamentalismo”, declarou Fábio ao Congresso em Foco, acrescentando que buscará “fortalecer a democracia partidária”.

A ideia, diz, é reinventar o modelo político-partidário. “As pessoas não acreditam mais em partidos políticos.” No entanto, acredita Fábio, as velhas práticas estarão presentes no jogo eleitoral de 2018, pelo lado dos adversários. Para o assistente social, alguns grupos promoverão a “ideologia do ódio” nas eleições do ano que vem.

“O discurso desses setores [conservadores] vai ser o discurso do ódio. É a militância do ódio, então isso vai ser um desafio de fazer um diálogo social para construir uma grande frente e derrotar essa galera. Vai ser nosso foco em 2018”, prevê.

Até que o Psol decidisse pela eleição de Fábio, diversas convenções regionais foram promovidas no entorno do DF e no Plano Piloto, entre agosto e setembro – etapas locais preparatórias para o congresso nacional do partido, a ser realizado entre 1º e 3 de dezembro, em Luziânia (GO). Ele lembra que foram realizadas mais de oito reuniões plenárias, que somaram mais de 900 filiados em todo o Distrito Federal, até ser escolhido o novo presidente do Psol-DF.

“É uma alegria ter tido a honra de sido o mais votado, entre os filiados, para assumir a presidência”, festeja o mestre em Política Social pela UnB, militante LGBT desde os 16 anos.

 

<< Por que a bandeira LGBT também é nossa bandeira

Continuar lendo

Publicidade Publicidade