Deputados e senadores investigados no STF – Paraná

Paraná


Deputados:


Alfredo Kaefer (PSL): Responde a seis inquéritos (3809, 3678, 4298, 4304, 4347 e 4504) e à ação penal 892, por crimes falimentares, contra o sistema financeiro, a ordem tributária, o patrimônio e a administração em geral, e formação de quadrilha. Em 2014, era o deputado com o maior patrimônio declarado entre os 513 eleitos com uma fortuna de R$ 108,5 milhões. Kaefer é suspeito de dar calote em credores e fazer manobras contábeis no patrimônio familiar com o objetivo de salvar bens empenhados em execução judicial.

Dilceu Speráfico (PP): Inquéritos 3989 e 4010, por corrupção passiva, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e tráfico de influência. No primeiro caso, é investigado na Lava Jato com base na delação do doleiro Alberto Youssef, que o apontou como um dos beneficiários do esquema de corrupção na Petrobras. Dilceu alega que nunca esteve na empresa nem falou com Youssef e o ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa, considerado o operador do partido na companhia.

Luiz Nishimori (PR): Inquéritos 3850 e 3508, por formação de quadrilha, estelionato majorado e crimes contra a fé pública.

Nelson Meurer (PP): Alvo dos inquéritos 3014 e 3989 e da ação penal 996, por tráfico de influência, corrupção, crimes contra a Lei de Licitações, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. O STF aceitou denúncia contra o deputado e o tornou réu na Lava Jato, acusado de receber R$ 4 milhões desviados da Petrobras para a campanha de 2010. Segundo o doleiro Alberto Youssef, ele recebeu R$ 29,7 milhões do esquema, em 99 repasses de R$ 300 mil.

Rossoni (PSDB) – Licenciado: Inquéritos 4156 e 4477, por crimes praticados por funcionários públicos contra a administração em geral, prevaricação e crimes contra o meio ambiente e o patrimônio genético. Atual chefe da Casa Civil do governo do Paraná, é investigado por levar três anos e dez dias para enviar à Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa, quando presidia a Casa, pedido do Superior Tribunal de Justiça para processar o hoje governador Beto Richa (PSDB).

Takayama (PSC): Inquérito 2771 e ação penal 647, por crimes contra a ordem tributária e peculato.

Zeca Dirceu (PT): Responde aos inquéritos 4322 e 4445, por lavagem de dinheiro e corrupção. Delatores da Odebrecht na Lava Jato afirmam que ele recebeu R$ 250 mil, em 2010, e outros R$ 250 mil, em 2014, para financiar suas campanhas eleitorais, via caixa dois, a pedido do pai, o ex-ministro José Dirceu. Zeca alega que nunca teve contato com a empresa e que todas as suas contas foram julgadas regulares pela Justiça eleitoral.

 

Senadores


Gleisi Hoffmann (PT)

A presidente nacional do Partido dos Trabalhadores é ré no STF por lavagem de dinheiro e corrupção passiva, em ação penal derivada do inquérito 3979, da Lava Jato. O doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa declararam que a senadora recebeu R$ 1 milhão do esquema para sua campanha ao Senado em 2010. Ela ainda é alvo dos inquéritos 4130 e 4342, por corrupção.

“Recebo a notícia desta investigação com tristeza e ao mesmo tempo com tranquilidade. Tristeza por ter meu nome envolvido em caso de corrupção. O maior patrimônio que eu tenho, construído ao longo destes anos, é o meu nome e a minha trajetória pública em defesa do direito das pessoas e de uma sociedade com justiça social. E tranquilidade, porque eu não temo a investigação e terei condições de provar que nada tenho com este esquema que atacou a Petrobras. A investigação é oportunidade de esclarecimento dos fatos e espero que seja a forma de acabar com o julgamento antecipado.

Não conheço e jamais mantive contato com Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef. Reafirmo minha disposição de colaborar com todo o processo investigatório.”

 

————– OUTROS ESTADOS ————

Voltar ao topo
Imprimir
Publicidade Publicidade